Informações gerais e bula para Butalab.
  • Princípio Ativo: Sulfato de Salbutamol
  • Laboratório: Natulab
  • Preço inicial: R$4,08

Para que serve Butalab?

Sulfato de salbutamol (substância ativa) xarope é um agonista β2-adrenérgico seletivo indicado para o tratamento ou prevenção do broncoespasmo. Ele fornece ação broncodilatadora de curta duração na obstrução reversível das vias aéreas devido à asma, bronquite crônica e enfisema. Os broncodilatadores não devem ser o único nem o principal tratamento em pacientes com asma grave ou instável. Nos pacientes com asma grave que não respondem a Sulfato de salbutamol (substância ativa), o tratamento com corticosteróides inalatórios é recomendado para alcançar e manter o controle. Não responder ao tratamento com Sulfato de salbutamol (substância ativa) pode sinalizar a necessidade de consultar um médico urgente ou tratamento. Sulfato de salbutamol (substância ativa) xarope é indicado para o alívio do broncoespasmo na asma brônquica de qualquer tipo, bronquite crônica e enfisema. Sulfato de salbutamol (substância ativa) xarope é a terapia oral adequada para as crianças, ou os adultos que preferem medicamentos líquidos.

Contra indicações para Butalab

O uso de Sulfato de salbutamol (substância ativa) xarope é contraindicado para pacientes com história de hipersensibilidade a qualquer componente de sua fórmula.

Como tomar Butalab?

Uso oral. Siga as recomendações de seu médico, pois em alguns casos a diluição de Sulfato de salbutamol (substância ativa) é aconselhável. Posologia Sulfato de salbutamol (substância ativa) xarope tem uma duração de ação de 4 a 6 horas na maioria dos pacientes. O aumento do uso de β2-agonistas pode ser um sinal de agravamento da asma. Sob estas condições, uma reavaliação do plano de terapia do paciente pode ser necessária e corticoterapia concomitante deve ser considerada. Como pode haver efeitos adversos associados com a dosagem excessiva, a dose ou frequência de administração só deve ser aumentada por indicação médica. Para alívio do broncoespasmo: Adultos: A dose usualmente eficaz é de 4mg de salbutamol (10mL do xarope) 3 ou 4 vezes ao dia. Caso não se obtenha a broncodilatação adequada, cada dose pode ser gradualmente aumentada para até 8mg (20mL do xarope). Contudo, observou-se que alguns pacientes obtêm alívio adequado com 2mg (5mL do xarope) 3 ou 4 vezes ao dia. Para os pacientes muito sensíveis a estimulantes beta-adrenérgicos, recomenda-se iniciar o tratamento com 2mg (5mL do xarope) 3 ou 4 vezes ao dia. Crianças de 2 a 6 anos: 2,5 a 5mL do xarope (1 a 2mg de salbutamol) 3 ou 4 vezes ao dia; Crianças de 6 a 12 anos: 5mL do xarope (2mg de salbutamol) 3 ou 4 vezes ao dia; Crianças acima de 12 anos: 5 a 10mL do xarope (2 a 4mg de salbutamol) 3 ou 4 vezes ao dia. Pacientes idosos: Recomenda-se iniciar o tratamento com 5mL de xarope (2mg de salbutamol) 3 ou 4 vezes ao dia. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Composição Butalab

Precauções e reações adversas da Butalab

O tratamento da asma deve seguir um programa adequado, e a resposta do paciente deve ser monitorada clinicamente e por meio de exames da função pulmonar. O aumento do uso de agonistas de receptores beta2-adrenérgicos de curta ação para alívio dos sintomas indica deterioração do controle da asma. Nessas condições, deve-se reavaliar o esquema terapêutico dos pacientes e considerar a terapia concomitante com corticosteroides. A deterioração repentina e progressiva do controle da asma é potencialmente uma ameaça à vida, devendo-se por isso considerar o início ou o aumento da corticoterapia. Para os pacientes de risco, deve-se instituir o monitoramento diário do pico de fluxo expiratório (PFE). Como podem ocorrer eventos adversos associados a altas dosagens de salbutamol, deve-se alertar os pacientes para não aumentar a dose nem a frequência de administração de salbutamol, mesmo que o alívio usual não ocorra ou a duração de ação diminua. Nesse caso, o paciente deve procurar orientação médica. O salbutamol deve ser administrado cuidadosamente a pacientes que sofrem de tireotoxicose. A terapia com agonistas beta2-adrenérgicos pode resultar em hipocalemia potencialmente grave, sobretudo após administração parenteral ou por nebulização. Recomenda-se cuidado especial na asma aguda grave, uma vez que esse efeito pode potencializar-se pelo tratamento concomitante com xantinas, corticosteroides e diuréticos, assim como pela hipóxia. Em tais situações recomenda-se monitorar os níveis séricos de potássio. Do mesmo modo que outros agonistas beta2-adrenérgicos, salbutamol pode induzir alterações metabólicas reversíveis, como aumento dos níveis de glicose sanguínea. O paciente diabético pode ser incapaz de compensar essa condição, havendo relatos sobre o desenvolvimento de cetoacidose. A administração concomitante de corticosteroides pode aumentar esse efeito. Populações especiais Crianças O medicamento é muito bem tolerado por crianças. Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas Nenhum efeito sobre essas atividades foi reportado. Fertilidade Não há informações sobre os efeitos deste medicamento sobre a fertilidade humana. Não foram observados efeitos adversos na fertilidade em animais. Gravidez e lactação A administração de drogas durante a gravidez somente deve ser efetuada se o benefício esperado para a mãe for maior do que qualquer risco para o feto. Foram raros os relatos de anomalias congênitas, que incluíram fenda palatina e defeitos nos membros, em filhos de pacientes tratadas com salbutamol. Nos casos reportados, algumas das mães tomaram múltiplas medicações durante a gravidez. Devido à inconsistência do padrão de defeitos e porque a taxa observada de anormalidade congênita foi de 2% a 3%, não se pôde estabelecer relação causal com o uso de salbutamol. Como o salbutamol é provavelmente secretado no leite materno, não se recomenda seu uso em lactantes. Não se conhece nenhum efeito danoso que o salbutamol, uma vez secretado no leite materno, possa trazer ao neonato. Categoria C de risco na gravidez. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Este produto contém salbutamol, que está incluído na lista de substâncias proibidas da Agência Mundial Antidoping. Este medicamento pode causar doping. Reações muito comuns e comuns foram geralmente determinadas a partir de dados de estudos clínicos. Reações raros e muito raros foram geralmente determinadas a partir de dados espontâneos. Reação muito comum (ocorre em 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) Tremor. Reações comuns (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) Dor de cabeça; Aumento da frequência dos batimentos do coração; Palpitações; Câimbra muscular. Reações raras (ocorrem entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento) Diminuição dos níveis de potássio no sangue; Arritmia cardíaca (alterações no ritmo normal dos batimentos do coração); Aumento do fluxo sanguíneo em determinadas regiões. Reações muito raras (ocorrem em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento) Hipersensibilidade, reações alérgicas caracterizadas por vermelhidão, coceira, inchaço, falta de ar, podendo ocorrer diminuição da pressão sanguínea e desmaio; Hiperatividade; Sensação de tensão muscular. Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.​

O que fazer em casos de superdosagem de Butalab?

Interações medicamentosas Butalab

O Sulfato de salbutamol (substância ativa) não deve ser utilizado com medicamentos beta-bloqueadores não seletivos, como o propranolol. O Sulfato de salbutamol (substância ativa) não é contraindicado em pacientes em tratamento com inibidores da monoaminoxidase (IMAOS). Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Ações das substâncias em Butalab

Resultado de eficácia Um estudo de Wolfe et al. que envolveu 20 adultos com asma em regime de uso crônico de teofilina e agonistas adrenérgicos inalatórios avaliou os efeitos do uso agudo de 4mg de salbutamol oral, 20mg de metaproterenol e 5mg de terbutalina, evidenciando-se valores similares de broncodilatação máxima entre os fármacos estudados. O efeito máximo do salbutamol sobre o VEF1 ocorreu em 3 horas. Os dados de FEMM e CVF exibiram tendências semelhantes de todos os fármacos. A duração da broncodilatação foi no mínimo de 8 horas com salbutamol e terbutalina em comparação com metaproterenol. Rachelefsky et al. avaliaram a eficácia do salbutamol em 20 crianças com asma em estudo de duas fases: monocega, que comparou múltiplas doses de placebo a 3 tratamentos semanais separados com 2, 4 e 6mg de salbutamol (comprimidos ou 4 vezes ao dia; e dupla-cega cruzada, que comparou 4mg de salbutamol comprimidos a xarope e placebo. Na Fase I, as doses de 4 e 6mg de salbutamol mostraram maior eficácia. Na Fase II, a dose de 4mg de salbutamol foi superior ao placebo. O pico de eficácia da dose de 4mg de xarope ocorreu em 4 horas, com duração de 6 horas, enquanto o do comprimido ocorreu em 2 horas e se mostrou mínimo após 5 horas. Em estudo retrospectivo, Phupong et al. avaliaram o uso de salbutamol oral em 132 casos de gestação sob ameaça de parto prematuro idiopático. Em 81% dos casos, a gestação foi prolongada por mais de 24 horas; em 59,8%, por mais de 2 dias; em 32,6%, por mais de 1 semana; e em 8,3%, por mais de 4 semanas. Características farmacológicas Propriedades farmacodinâmicas O salbutamol é um agonista seletivo dos receptores beta2-adrenérgicos. Em doses terapêuticas, atua nos receptores beta2-adrenérgicos da musculatura brônquica e tem pouca ou quase nenhuma ação sobre os receptores beta1-adrenérgicos do músculo cardíaco. O tempo estimado de início de ação do salbutamol xarope é de 30 minutos. Propriedades farmacocinéticas O salbutamol administrado por via intravenosa tem meia-vida de 4 a 6 horas e é parcialmente depurado pelos rins e parcialmente metabolizado, transformando-se no composto inativo 4’-O-sulfato (sulfato fenólico), excretado principalmente através da urina. As fezes representam uma via menor de excreção. A maior parte da dose de salbutamol administrada por via intravenosa é excretada em 72 horas. O salbutamol está ligado às proteínas plasmáticas na proporção de 10%. Após a administração oral, é absorvido pelo trato gastrointestinal e sofre metabolismo de primeira passagem originando o sulfato fenólico. Tanto a droga inalterada quanto o conjugado são excretados principalmente na urina. A biodisponibilidade da administração oral é de cerca de 50%.

Como armazenar, guardar, Butalab?

Dizeres legais Butalab

MS: 1 3841 0019 Farm Responsável: Tales Vasconcelos de Cortes - CRF/BA nº3745 NATULAB LABORATÓRIO SA Rua H, nº2, Galpão 03 - UrbisII Santo Antonio de Jesus - Bahia – CEP44 574-150 CNPJ 02 456 955/0001-83 INDÚSTRIA BRASILEIRA SAC: (75) 3311 5555 VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas procure orientação médica.