A exposição ao sol pode deixar marcas na pele de várias maneiras, e uma delas é em forma de melasma. Os raios solares são os principais desencadeadores de um problema comum da pele que provoca manchas de cor marrom ao marrom avermelhado sobre o rosto. A maioria das pessoas apresenta em rosto, ponte do nariz, testa, queixo e sobre o lábio superior. A melanina é a substância responsável de proteger contra o sol e é produzida por umas células chamadas melanócitos. A causa do melasma é desconhecida, mas sabemos que os melanócitos aumentam a produção de melanina de forma desordenada nos locais anteriormente mencionados. Além da exposição solar, que estimula os melanócitos, contribuem para o desenvolvimento do melasma, outros fatores, como a predisposição genética e as alterações hormonais próprias da gravidez ou os derivados da tomada de anticoncepcionais e medicamentos de reposição hormonal. Quando o melasma aparece em mulheres grávidas é chamado de cloasma ou máscara da gravidez. Também estão por trás desta doença de pele, os produtos de cuidado facial que irritam a pele. Em muitos casos, a coincidência de vários desses fatores pode fazer com que se mantenha ou agrave o processo. Se você sofre de melasma, os especialistas recomendam seguir os seguintes conselhos para conseguir um tom de pele mais uniforme: – Usar protetor solar diariamente, mesmo se for um dia nublado, e depois de banhar-se na praia ou na piscina, ou suar. A proteção solar mais adequada é a de amplo espectro, com um fator de proteção de, pelo menos, 50, e o óxido de zinco e/ou dióxido de titânio para limitar fisicamente os efeitos dos raios solares sobre a pele. – Vestir um chapéu largo no exterior. O protetor solar não confere, por si só, suficiente proteção para a pele contra os raios solares. Sempre que seja possível, há que procurar a sombra e usar roupas e acessórios de proteção, como chapéus e bonés, além de creme solar. – Escolher produtos suaves para o cuidado da pele, as que não produzam, em nenhum caso, coceira ou queimação já que, como vimos, os produtos que irritam a pele, contribuem para o desenvolvimento do melasma. – Evitar a depilação com cera em áreas do corpo afetadas pela doença. Este método de depilação pode provocar uma inflamação da pele que, por sua vez, pode favorecer o melasma. O dermatologista pode fornecer a informação necessária sobre as técnicas de depilação que melhor se adaptem a nossa pele e suas características. – Ir ao especialista. Embora o melasma não maligniza e representa apenas um problema estético, visitar o dermatologista é importante diante de qualquer aparecimento de manchas na pele, pois assim são descartadas outras possibilidades, e para que, dado o caso, prescreva algum dos tratamentos utilizados para tratar a doença. Entre eles encontram-se medicamentos e terapias desenvolvidas em centros clínicos. O importante é começar a trabalhar nas manchas quanto apareçam. Quanto antes iniciar, melhores serão os resultados. Fotos | iStock / yacobchuk / DenizA