O mais valioso que temos, ao final de nossa vida são nossas memórias: é algo que nada nem ninguém pode nos roubar, e devemos esforçar-nos para manter o maior tempo possível. Estes são especialmente importantes quando entramos em uma idade avançada: essas memórias nos ajudam a saber quem somos e quem são os que estão ao nosso redor. Para mantê-los, uma boa ideia é fazer um mapa da vida, você sabe como fazê-lo? O que é um mapa de vida? Imagine que você tem que preparar o seu próprio currículo, mas com algumas modificações: em vez de falar apenas de formação e de trabalho, você fala de vários aspectos de sua vida que foram e são importantes para si, os marcos que marcaram sua vida e sua história e que se tornaram o que você é agora mesmo. Além disso, o mapa da vida, ao contrário do currículo, é algo exclusivamente para você, que você pode compartilhar com quem você quiser. É um documento muito pessoal, mas também muito agradável para compartilhar com seus entes queridos. O mapa da vida fala de sua história, seja recente ou de há anos, e ajuda-o a colocar-se no espaço e no tempo e a sentar no momento atual. Pode servir não só para rever aquilo que você fez e tudo o que ganhou, mas também para propor novas metas e para dirigir a sua vida pessoal, social e de trabalho para os fins que pretende alcançar. O que é, e elaborar o mapa de vida para as pessoas mais velhas? Conforme vai passando o tempo e uma vez que a nossa vida já está assentada parece que os anos se vão fazendo mais semelhantes e monótonas, e acabamos por esquecer as pequenas coisas que os tornam especiais. Todos recordamos com facilidade a época da adolescência ou da universidade, mas ao começar a trabalhar a rotina faz com que os dias sejam entre si muito parecidos. Neste caso, mesmo após a aposentadoria: cada dia é mais do mesmo, e corremos o risco de esquecer o que conseguimos, quem somos e o que queremos alcançar, a partir de agora. No caso das pessoas idosas, ajudá-los a elaborar o seu próprio mapa de vida pode, por um lado, auxiliá-los a se lembrar e compartilhar alguns detalhes de épocas passadas, que talvez tinham ficado no baú das recordações. Por outro lado, saber quais foram os marcos na sua vida (você Tem praticado esporte? Você ganhou um campeonato de dominó? Você gosta de cuidar de seus netos? Você já teve irmãos?) é uma fonte importante de informação para os trabalhadores dos centros de dia ou lares, se recorrerem a qualquer um desses lugares. Tendo em conta os hobbies, os hábitos e os gostos das pessoas idosas, os trabalhadores dos centros de dia ou das residências poderão elaborar um calendário de atividades adequado aos seus gostos. Assim será mais fácil para eles se divertir e se socializar com outras pessoas do centro. Como elaboramos um mapa de vida? É muito simples: tudo o que precisamos é uma folha em branco e uma caneta. Nos sentamos com o tempo e em um lugar tranquilo com a pessoa que queremos ajudar a elaborar o seu mapa de vida: pode ser a nossa avó ou avô, uma vizinha, um conhecido do bairro com o que sempre coincides ao tirar o cão... Qualquer um pode fazê-lo. No centro da folha desenhamos um retângulo em que escrevemos o nome da pessoa a que pertence esse mapa da vida, se nós temos muito a arte podemos até fazer um pequeno dibujito que o represente: esse é o seu "eu" do presente. Traçamos uma linha para cima, que representa o passado e nós escolhemos o período de tempo que vamos tratar. Os mapas de vida que se elaboram para desenhar novas metas ou propósitos o tempo que se trata costuma ser de cinco anos, no máximo, mas como o que queremos é ajudar a pessoa a lembrar o mais possível, pode ser o tempo que quisermos. Lembre-se que é algo pessoal e que não tem por que seguir regras rígidas. A partir de aqui, pedimos à pessoa do mapa que nos diga quais foram os momentos mais importantes de sua vida em relação à família: pode ser a data de seu casamento, o dia que soube que ia ser mãe ou pai, no dia em que seu filho ou filha se formou... Vamos colocando cada um desses momentos, por ordem cronológica, na linha do que temos puxado para cima. Depois passamos a outros assuntos, como o trabalho, as amizades, viagens, etc. E vamos preenchendo assim a linha do tempo. Se queremos fazer muito visual, podemos escrever cada um dos marcos mais importantes relativos a um mesmo grupo (família, trabalho, viagens) com uma cor diferente, e também incluir fotografias ou ficheiros que tenham a ver com esses momentos. A parte que fica na parte de baixo da folha é para apontar as metas e objetivos que a pessoa tem, a partir de agora. É importante ter metas e um projeto de vida, seja qual for a nossa idade. Podem ser coisas simples como aprender a jogar mus, a leitura de cada ano, o prêmio Planeta, passar mais tempo ao ar livre... A idéia é que, com base em hobbies e gostos que teve ao longo dos anos, essa pessoa veja que tem havido uma evolução e que ainda tem muito por viver. Uma forma de se manter jovem e ativo mesmo com o passar dos anos.