Embora pareça mentira, há muitas pessoas que acham que não vale a pena confiar em ninguém. Sua frase preferida é eu eu consigo muito bem sozinho. Aqueles que falam assim ter suas razões. Mas o Que lhes foi llevadoa ser tão desconfiados? Provavelmente lhes tenha acontecido que, em algum momento, alguém a quem acreditavam seu melhor amigo os decepcionou, que os traiu ou se afastou sem nenhuma explicação. Ou, talvez, à procura de uma palavra de incentivo não a encontraram e sentiram que ninguém os levava a nota. Na verdade, todos alguma vez nos passou querer comentar algum assunto banal, sem importância e verificar que os outros estavam demasiado ocupados com as suas coisas, como para perder tempo escuchándonos. No entanto, nenhuma destas razões são válidas para isolar-se do resto do mundo e recusar-se a confiar nos outros. Não ter amigos, não valorizar a palavra dos outros e pensar que ninguém pode nos ajudar, na verdade, fala de uma dificuldade para se comunicar e o efeito desta situação é que você acaba sentindo-se muito só e vulnerável. Como explica o dr. Finkelstein, que sente muita hostilidade contra o mundo, se coloca em uma posição bastante todo-poderoso, onde parece que os outros não têm mais nada que fazer neste mundo que perjudicarlo a ele. Pior ainda é viver sofrendo, indignar-se constantemente, não poder aceitar as brincadeiras dos outros ou que os outros podem estar ocupados com seus próprios problemas. Todas essas frustrações, na realidade, surgem de uma esperança quase infantil de que nos acabarem com a vida. Como isso não é possível, a pessoa pode acabar se sentindo mal. Isto é, abandonando-se a si mesmo, embora proclame o contrário, e sem poder aplicar a regra básica do sobrevivente: recorrer a qualquer recurso intrínseco e extrínseco para continuar vivendo e também sonhando.