Informações gerais e bula para Reduclim. .
  • Princípio Ativo: Tibolona
  • Laboratório: Farmoquímica
  • Preço inicial: R$48,49

Para que serve Reduclim?

Este medicamento é destinado ao alívio das queixas resultantes da menopausa e à prevenção da osteoporose. Como Reduclim funciona? Reduclim é um medicamento que tem como substância ativa a tibolona, que alivia os sintomas da menopausa (fogachos, transpiração, secura vaginal), previne a perda óssea, melhora o humor e a libido (desejo sexual).

Contra indicações para Reduclim

Está contraindicado no caso de reação alérgica à tibolona ou a qualquer componente de sua formulação. Em caso de dúvida, consulte o seu médico. Não deve ser utilizado nas seguintes condições: Gravidez e lactação; História atual ou anterior de câncer que possa se desenvolver na presença de hormônios sexuais (como câncer de mama ou do endométrio); História atual ou anterior de problemas circulatórios, especialmente os relacionados à trombose (formação de coágulos no sangue); Alguma doença grave no fígado; Presença de sangramento vaginal sem explicação; Porfiria (doença hereditária ou adquirida); Espessamento do endométrio (tecido de revestimento do útero). Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que possam ficar grávidas durante o tratamento.

Como tomar Reduclim?

Você deve tomar os comprimidos, preferivelmente, sempre na mesma hora do dia, sem mastigar e com auxílio de algum líquido. Seu médico escolherá a dose mais adequada para você. A dose diária de 1,25mg é eficaz, porém, para as pacientes com sintomas mais acentuados que necessitam de alívio mais rápido, a dose diária de 2,5mg é mais adequada. Para melhores resultados, o tratamento deve ter a duração de pelo menos três meses. Início do tratamento Mulheres com menopausa natural devem iniciar o tratamento pelo menos 12 meses após o último sangramento natural. Em caso de menopausa artificial, o tratamento pode ser iniciado imediatamente. Quando da alteração de terapia de reposição hormonal (TRH) combinada ou sequencial Iniciar o tratamento com Reduclim no dia seguinte ao término do regime anterior. Quando for alteração de uma terapia de reposição combinada, iniciar o tratamento com Reduclim a qualquer momento. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento . O que eu devo fazer quando eu me esquecer de usar Reduclim? Caso você tenha se esquecido de tomar uma dose, tome-a assim que se lembrar desde que não tenha ultrapassado mais de 12 horas. Se ultrapassar esse tempo, você deverá ignorar a dose esquecida e tomar a próxima dose no horário habitual. Não tome duas doses ao mesmo tempo. O esquecimento de uma dose pode aumentar a probabilidade de sangramento de privação. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Composição Reduclim

Comprimidos (1,25mg) Cada comprimido contém: Tibolona1,25mg Excipientes q. s. p1 comprimido Excipientes: estearato de magnésio, lactose anidra, amido de milho e palmitato de ascorbila. Comprimidos (2,5mg) Cada comprimido contém: Tibolona2,5mg Excipientes q. s. p1 comprimido Excipientes: estearato de magnésio, lactose anidra, amido de milho e palmitato de ascorbila.

Precauções e reações adversas da Reduclim

Não é aconselhável a administração de Reduclim com medicamentos do tipo anticoagulantes, como a varfarina. Avise ao seu médico caso você tenha que ser submetida a alguma cirurgia ou imobilização forçada decorrente, por exemplo, de acidentes ou operações. É aconselhável que você seja submetida regularmente a um exame ginecológico. Informe ao seu médico quando houver a ocorrência das seguintes condições: História atual ou anterior de problemas circulatórios, como trombose, bem como inchaço doloroso de uma perna; Dor repentina no peito ou dificuldade para respirar; Mioma (tipo de tumor); Mau funcionamento do coração ou dos rins; Aumento do nível de triglicérides (um tipo de gordura) no sangue; História atual ou anterior de câncer que possa se desenvolver na presença de hormônios; Pressão alta (hipertensão); Problemas de fígado; Diabetes mellitus; Cálculo na vesícula; Enxaqueca ou dor de cabeça grave; Lúpus (tipo de inflamação crônica na pele); História de espessamento do endométrio; Epilepsia; Asma; Problemas no ouvido (otosclerose). A medicação deve ser suspensa na presença das seguintes condições: Icterícia (coloração amarelada nos tecidos devido à presença de pigmentos biliares); Aumento repentino da pressão arterial; Aparecimento de enxaqueca ou dor de cabeça grave. Este medicamento não deve ser utilizado como anticoncepcional. Este medicamento pode causar doping. Alguns medicamentos como fenitoína, carbamazepina e rifampicina podem reduzir a atividade da tibolona. Não se deve administrar anticoagulantes (para tratamento de problemas de circulação), como varfarina, com a tibolona para evitar o risco de hemorragia. Em casos isolados, pode ocorrer aumento ou diminuição dos efeitos dos antidepressivos tricíclicos (por exemplo, amitriptilina, amoxapina, clomipramina, desipramina, dotiepina, doxepina, imipramina, lofepramina e nortriptilina). Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde. Leia cuidadosamente esta bula antes de iniciar o tratamento com esse medicamento Guarde esta bula. Você pode precisar ler as informações novamente em outra ocasião; Se você tiver alguma dúvida, peça auxílio ao seu médico ou farmacêutico; Esse medicamento foi receitado para você e não deve ser fornecido a outras pessoas, pois pode ser prejudicial a elas, mesmo que os sintomas que elas apresentem sejam iguais aos seus. Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) Sangramento e corrimento vaginal, alteração do peso corpóreo, dor abdominal, dor nas mamas, coceira genital, candidíase, inflamação na vagina, aumento de pelos faciais e acne. Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento) Amnésia (perda de memória). Outras reações com frequência desconhecida Dor de cabeça, vertigem (tontura), distúrbio gastrintestinal, edema (inchaço), enxaqueca, depressão, coceira (rash), distúrbios visuais, dor nas juntas e nos músculos, alterações no fígado. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

O que fazer em casos de superdosagem de Reduclim?

Não existem relatos até o momento de sintomas de toxicidade causados pela ingestão de uma quantidade excessiva dos comprimidos de Reduclim. Nessa situação, poderão ocorrer náuseas, vômitos e sangramento vaginal. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interações medicamentosas Reduclim

Como tibolona pode aumentar a atividade fibrinolítica sanguínea, o efeito dos anticoagulantes utilizados concomitantemente pode ser potencializado. Esse efeito foi demonstrado com varfarina. Portanto, recomenda-se cautela no uso concomitante de tibolona e anticoagulantes, especialmente ao iniciar ou interromper o tratamento concomitante com tibolona. Caso necessário, a dose de varfarina deve ser ajustada. Existe informação limitada a respeito das interações farmacocinéticas com tibolona. Um estudo in vivo demonstrou que o tratamento simultâneo com tibolona afeta em grau moderado a farmacocinética do substrato citocromo P450 3A4 do midazolam. Assim, podem ser esperadas interações medicamentosas com outros substratos CYP3A4. Entretanto, a relevância clínica depende das propriedades farmacológicas e farmacocinéticas do substrato envolvido. Compostos indutores da CYP3A4 tais como barbitúricos, carbamazepina, hidantoína e rifampicina podem aumentar o metabolismo da tibolona e assim afetar seu efeito terapêutico. Preparações fitoterápicas contendo erva de São João (Hypericum perforatum) podem induzir o metabolismo de estrogênios e progestagênios via CYP3A4. Clinicamente, um metabolismo aumentado de estrogênios e progestagênios podem levar a um efeito diminuído e alteração no perfil de sangramento uterino.

Ações das substâncias em Reduclim

Resultados da eficácia Os estudos clínicos realizados com tibolona mostraram a eficácia do produto na melhora dos sintomas da deficiência estrogênica e na prevenção da osteoporose. Alívio dos sintomas da deficiência estrogênica O alívio dos sintomas menopáusicos (ex. sintomas vasomotores, atrofia vaginal) geralmente ocorre durante as primeiras semanas de tratamento. Prevenção da osteoporose A deficiência de estrogênios na menopausa está associada ao aumento da remodelação óssea e à redução da massa óssea. A proteção parece efetiva durante o período de tratamento. Após a descontinuação da terapia de reposição hormonal (TRH), a perda de massa óssea ocorre em proporção similar à das mulheres não tratadas. No estudo LIFT, a tibolona reduziu o número de mulheres (idade média 68 anos) com novas fraturas vertebrais em comparação com placebo durante os 3 anos de tratamento (ITT: odds ratio para tibolona em relação ao placebo 0,57; 95% IC [0,42; 0,78]). Após 2 anos de tratamento com tibolona (2,5 mg) o aumento na densidade mineral óssea (DMO) da coluna vertebral lombar foi de 2,6 ± 3,8%. O percentual de mulheres que mantiveram ou ganharam DMO na região lombar durante o tratamento foi de 76%. Um segundo estudo confirmou esses resultados. Tibolona (2,5 mg) também apresentou efeito sobre a DMO do quadril. Em um estudo, o aumento após 2 anos foi de 0,7 ± 3,9% no colo do fêmur e de 1,7 ± 3,0% no quadril total. O percentual de mulheres que mantiveram ou ganharam DMO na região do quadril durante o tratamento foi de 72,5%. Um segundo estudo demonstrou que o aumento após 2 anos foi de 1,3 ± 5,1% no colo do fêmur e 2,9 ± 3,4% no quadril total. O percentual de mulheres que mantiveram ou ganharam DMO na região do quadril durante o tratamento foi de 84,7%. Características Farmacológicas Farmacodinâmica Código ATC: G03CX01. Após a administração oral, a tibolona é rapidamente metabolizada em três compostos, que contribuem para o perfil farmacodinâmico de tibolona. Dois dos metabólitos (3α-OH-tibolona e 3ß-OH-tibolona) apresentam atividade estrogênica, ao passo que o terceiro metabólito (isômero ∆4 da tibolona) apresenta atividade progestagênica e androgênica. Tibolona permite a reposição da perda na produção estrogênica em mulheres na pós-menopausa e alivia os sintomas menopáusicos. Tibolona previne a perda óssea após a menopausa ou ooforectomia. Informações dos estudos clínicos a respeito dos efeitos sobre o endométrio e padrão de sangramento: Houve relatos de hiperplasia endometrial e câncer de endométrio em pacientes tratadas com tibolona; Foi relatada amenorreia em 88% das mulheres em uso de tibolona 2,5 mg após 12 meses de tratamento. Sangramento por privação e/ou spotting foram relatados em 32,6% das mulheres durante os 3 primeiros meses de tratamento, e em 11,6% das mulheres após 11-12 meses de uso. Informações dos estudos clínicos a respeito dos efeitos sobre as mamas: Nos estudos clínicos a densidade mamográfica não foi aumentada nas mulheres tratadas com tibolona em comparação com o placebo. Farmacocinética Após a administração oral, a tibolona é rápida e completamente absorvida. Devido ao rápido metabolismo, os níveis plasmáticos de tibolona são muito baixos. Os níveis plasmáticos do isômero ∆4 da tibolona também são muito baixos. Portanto, alguns parâmetros farmacocinéticos não podem ser determinados. Níveis de pico plasmático dos metabólitos 3α-OH e 3-ß-OH são mais altos, mas não ocorre acúmulo. Tabela 1 – Parâmetros farmacocinéticos de tibolona (2,5 mg) A excreção da tibolona é realizada principalmente sob a forma de metabólitos conjugados (na maioria, sulfatados). Parte do composto administrado é excretada na urina, mas a maior parte é eliminada pelas fezes. O consumo de alimentos não possui efeito significativo na extensão da absorção. Foi verificado que os parâmetros farmacocinéticos para a tibolona e seus metabólitos são independentes da função renal. Dados pré-clínicos de segurança Em estudos com animais, a tibolona apresentou atividades antifertilidade e embriotóxica em virtude de suas propriedades hormonais. A tibolona não foi teratogênica em camundongos e ratos e apresentou potencial teratogênico em coelhos com doses próximas à abortiva. A tibolona não é genotóxica sob condições in vivo. Apesar de ter sido observado efeito carcinogênico em certos grupos de ratos (tumores hepáticos) e camundongos (tumores de bexiga), a sua relevância clínica é incerta.

Como armazenar, guardar, Reduclim?

Reduclim deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30oC), protegido da luz e umidade. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Características físicas e organolépticas Comprimidos circulares biconvexos brancos. Livre de partículas estranhas. Odor característico. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Dizeres legais Reduclim

Venda sob prescrição médica. MS: 1. 0390. 0136 Farm. Resp: Dra. Marcia Weiss I. Campos CRF-RJ nº 4499 Registrado por: Farmoquímica S/A Av. José Silva de Azevedo Neto, 200, Bloco 1, 1º andar, salas 101 a 104 e 106 a 108. Rio de Janeiro – RJ CNPJ: 33. 349. 473/0001-58 Fabricado por: Farmoquímica S/A Rua Viúva Cláudio, 300 Rio de Janeiro - RJ CNPJ: 33. 349. 473/0003-10 Indústria brasileira